Doutorado Sanduíche: como funciona? precisa saber inglês?

No momento em que escrevo este artigo, me encontro na Índia, cerca de oito horas a frente do Brasil em uma pensão para meninas, estudando para a minha tese. Estou aqui há quatro meses.

Você deve pensar: Nossa, você deve ser rica para conseguir arcar com as despesas. Nada disso.

Minhas despesas principais, como mensalidade, valor para as passagens de ida e de volta, seguro viagem e deslocamento, todas foram pagas através da bolsa do doutorado sanduíche.

E eu não estaria aqui sem a fluência em inglês.


Na Índia, país mais populoso do mundo, cerca de 780 línguas são faladas; sendo a língua inglesa e o hindi as principais. 

Este artigo responderá às seguintes perguntas: O que é um doutorado sanduíche? Por que realizar o doutorado sanduíche? Como posso me inscrever para uma bolsa? Quais os tipos de bolsa disponíveis? Quais comprovantes de proficiência são aceitos para a inscrição?

Por fim, como o inglês pode me ajudar em minha pesquisa? Aprenda sobre este tipo de intercâmbio e aproveite a oportunidade para expandir sua pesquisa e conhecimento.

doutorado sanduíche

O que é o doutorado sanduíche?

O doutorado sanduíche (sandwich Phd, sandwich doctorate ou doctoral stay) é uma bolsa de estudos pela qual a/o doutoranda(o) realiza uma parte de sua pesquisa no exterior, em uma instituição de ensino diferente da qual está matriculada(o).

É daí que vem seu nome: um pão cortado no meio (pesquisa no Brasil), e dentro do pão temos o recheio (pesquisa na instituição internacional). 

Esta bolsa geralmente é realizada em outro país, mas pode ser feita também dentro do próprio Brasil.

Antes da inscrição, a/o candidata(o) deve estar devidamente matriculada(o) no curso de doutorado em uma instituição brasileira de ensino e a duração do intercâmbio geralmente varia de seis a doze meses.

Quanto à matrícula na instituição estrangeira, aí vai depender do caso: podem exigir a matrícula, ou que a universidade brasileira tenha uma parceria com a instituição no exterior.

No meu caso, por exemplo, minha universidade não possuía parceria, mas precisei de alguns documentos da universidade aqui na Índia para que conseguisse a bolsa.

Por que realizar o doutorado sanduíche?

O doutorado sanduíche proporciona muitas vantagens aos pesquisadores:

  • intercâmbio de informações,
  • facilidade de encontrar material para a pesquisa,
  • experiências com o tema de sua tese,
  • instalações mais avançadas do que a instituição brasileira (dependendo do tipo de pesquisa),
  • difusão da produção brasileira no exterior,
  • possibilidade de participação em eventos internacionais,
  • criação de uma cooperação entre universidades,
  • aprofundamento sobre o assunto escolhido. 

Eu trabalho desde o início do meu doutorado, o que acaba limitando meu tempo para pesquisa. Este intercâmbio permitiu que eu me dedicasse exclusivamente aos meus estudos por seis meses.

Graças à bolsa, pude pedir licença não remunerada no meu emprego para depois retornar normalmente.

O sanduíche é uma oportunidade única de desenvolver sua tese, ao mesmo tempo em que conhece outra cultura (e alguns lugares e pessoas também, quem sabe?)

Como posso me inscrever para uma bolsa?

Como já explicado, a/o candidata(o) deve estar matriculada(o) (geralmente) há pelo menos um ano em um programa de doutorado.

Depois, é necessário a autorização de ambas as universidades para que o intercâmbio ocorra.

Os documentos exigidos variam de acordo com a bolsa pretendida, mas tendem a ser os seguintes:

  • comprovante de proficiência na língua estrangeira do país de destino (inglês, francês, etc.);
  • comprovante de parceira entre as universidades;
  • histórico escolar do aluno;
  • comprovante de matrícula (em uma ou nas duas universidades);
  • plano de trabalho (uma explicação e planejamento de suas atividades no exterior);
  • currículo Lattes;
  • autorização da/do orientador(a) do Brasil (e por vezes do orientador do exterior). 

Depois de uma etapa inicial de inscrição na qual os documentos exigidos são entregues, alguns programas possuem uma segunda etapa com entrevistas curtas com as/os candidatas(os), ou formulários serem preenchidos.

Depois da análise da documentação e do plano de trabalho, os resultados são publicados e então a/o aluna(o) pode começar a se preparar para a viagem!

Mas me repetindo aqui: as fases e inscrições podem variar.

E pode parecer complicado, mas com um pouco de empenho e obstinação, você com certeza conseguirá uma bolsa!

Dica: Leia o edital da bolsa que escolher com MUITA atenção para entender todos os seus direitos e deveres no doutorado sanduíche. Assim, você consegue aproveitar o máximo desta oportunidade.

Quais os tipos de bolsa disponíveis?

Os órgãos pelos quais é mais comum conseguir uma bolsa de doutorado sanduíche são a CAPES (Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), ambas organizações do governo brasileiro de apoio à pesquisa.

Na CAPES, o nome da bolsa é PDSE (Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior) e no CNPq é SWE (Doutorado Sanduíche no Exterior).

Ao longo do ano, as duas organizações lançam editais para inscrição, juntamente com os valores a serem recebidos pela(o) doutoranda(o).

Estes geralmente incluem custos para as passagens de ida e volta, seguro-viagem, alimentação, moradia e deslocamento.

A quantia varia, assim como a moeda, podendo ser em dólares ou euros. No meu caso, recebi em dólares, apesar de viajar para a Índia. 

Procurar programas dentro de sua própria universidade é uma ótima opção também, pois você já encontrará instituições parceiras e as etapas poderão ser mais simplificadas.

Converse com sua/seu orientador(a), ela/ele poderá indicar quais as melhores opções para seu tipo de pesquisa e te ajudar a encontrar um(a) co-orientador(a) internacional, que irá te supervisionar no país estrangeiro.

Uma outra opção é a Comissão Fullbright, liderada pelo governo do EUA (as bolsas são para lá). O programa oferece bolsas para estudantes, acadêmicos, artistas, cientistas, professores e profissionais que desejam compartilhar conhecimento e aprimorar seus talentos.

Os requisitos e etapas para seleção são um pouco diferentes daqueles das agências brasileiras, mas todos eles exigem comprovante de proficiência.

Dica: É importante checar os valores oferecidos, e calcular se serão suficientes de acordo com seus objetivos. Você pode comparar as bolsas para decidir qual se adequa mais às suas necessidades.

Quais comprovantes de proficiência são aceitos na inscrição?

Caso você se inscreva para uma bolsa em um país cujo idioma oficial é o inglês (Irlanda, Índia, EUA, Canadá, Estônia, África do Sul, entre outros), você precisa comprovar sua fluência no momento inscrição.

De acordo com o site da CAPES, estes são os níveis exigidos para a língua inglesa: 

  1. TOEFL IBT (Internet-Based Testing): mínimo de 71 pontos, validade de 2 (dois) anos;
  2. TOEFL ITP (Institucional Testing Program): mínimo de 527 pontos, validade de 2 (dois) anos; 
  3. IELTS (International English Language Test): mínimo de 6, sendo que cada habilidade (listening, reading, wring e speaking) deve ter nota mínima de 5 (cinco), validade de 2 (dois) anos;
  4. Cambridge Exams: CPE/C2 Proficiency, CAE/C1 Advanced ou FCE/B2 First, mínimo de B2, sem validade.
  5. DET (Duolingo English Test): mínimo de 105 pontos, validade de 2 (dois) anos

Para se ter uma ideia, se nos basearmos no nível do Cambridge Test (B2), estas são as habilidades: 

1. Ser capaz de entender as ideias principais de textos complexos tanto em assuntos concretos quanto abstratos, incluindo discussões técnicas em seu campo de especialização.

2. Ser capaz de interagir com certo grau de fluência e espontaneidade sem necessidade de esforço de qualquer lado.

3. É capaz de produzir textos claros e detalhados sobre uma grande variedade de assuntos e explicar pontos de vista de um modo tópico, mostrando as vantagens e desvantagens das várias opções.

É definido como confiante ou independente no Common European Framework of Reference (CEFR) 

Observação:  O candidato poderá apresentar teste de proficiência realizado de forma on-line/remota desde que confirmado pelas instituições certificadoras listadas nos Itens a) a d), como equivalente ao teste presencial sem qualquer prejuízo para a qualidade do exame.

Como o inglês pode me ajudar em minha pesquisa?

Como explicado na pergunta anterior, para a inscrição no doutorado sanduíche, a/o estudante deve comprovar sua proficiência, principalmente se for um país de língua inglesa.

Mesmo se você decidir ir à França, por exemplo, a fluência no inglês pode te conectar a estudantes de outros países, ou caso tenha dificuldade em determinada situação.

No mais, muitos documentos e artigos acadêmicos estão em inglês; portanto, sua compreensão facilita seu acesso a este tipo de arquivo. 

Estou aprendendo hindi, uma das muitas línguas faladas por aqui. Mas sem o inglês não conseguiria nem me inscrever no programa.

As possibilidades que este idioma pode te oferecer são infinitas, não importa seu nível de escolaridade. Aproveite todas elas!

Dica final: Veja a experiência do doutorado sanduíche como uma oportunidade para aperfeiçoar seu inglês, independente do seu nível atual. Sou professora há dezesseis anos, e nestes quatro meses aprendi muito sobre o idioma falado aqui, suas particularidades e até novas palavras.

Não deixe de checar outros países que têm inglês como língua oficial para o seu intercâmbio!


Download Gratuito

Cronograma Autodidata Para Aprender Inglês Básico Em 34 Dias

Baixe agora clicando no botão abaixo
DOWNLOAD NOW

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Download Gratuito

Cronograma Autodidata Para Aprender Inglês Básico Em 34 Dias

Baixe agora clicando no botão abaixo
DOWNLOAD NOW
close-link
(Grátis) Baixe o E-book Inglês em 34 Dias - Cronograma Autodidata
Baixar Ebook
close-image