Que idioma aprender depois do inglês?

Após tornar-se fluente em inglês, língua cujo domínio é considerado o mais essencial entre as demais do mundo, a escolha de um próximo idioma estrangeiro para aprender pode depender de diversos fatores.

As línguas mais populares entre os estudantes brasileiros, além do inglês, são o espanhol, o francês, o italiano, o alemão, o japonês e o mandarim. Talvez seja surpreendente para você que algumas destas línguas estejam na mesma lista, pois de fato elas não são igualmente populares: o espanhol, em especial, se destaca muito mais.

COMO ESCOLHER QUAL SERÁ O SEU TERCEIRO IDIOMA?

1 – Analisando aspectos geopolíticos e a frequência do uso dos idiomas pelo mundo

Para decidir qual idioma você vai aprender agora que já é fluente em inglês, primeiramente você precisa se questionar sobre aspectos mais gerais, que estão sobretudo ligados a fatos históricos, geográficos e geopolíticos. 

Por exemplo, se você pretende continuar morando no Brasil, faz sentido que você se dedique ao aprendizado de espanhol, pois o Brasil é isolado nas Américas quando se trata de idioma e isso faz com que espanhol, o mais falado pelos nossos vizinhos, seja muito valorizado no mercado de trabalho brasileiro.

Contudo, se você decidir mudar-se para a Europa, o espanhol já não é tão útil ou valorizado, afinal somente na Espanha se fala esta língua no continente. E nem precisa ir tão longe: se você quiser morar no Canadá, o espanhol também será pouco interessante.

Usando o Canadá como um segundo exemplo de país, fica ainda mais claro a necessidade de avaliar questões geopolíticas. Lá, o francês também é língua oficial, junto do inglês, e a maioria das pessoas consegue se comunicar em ambos, portanto é o único país nas Américas em que é melhor saber francês do que espanhol.
Apesar dos Estados Unidos terem somente inglês como língua oficial, a fronteira com o México e a proximidade com a América Central configura a forte influência do espanhol no país. Tal influência é extremamente menor no Canadá devido a sua posição geográfica e a história da colonização de todo o continente, não somente do país em si.

De forma geral: para morar e trabalhar nas Américas, vale mais a pena aprender espanhol, com exceção do Canadá, onde é melhor falar francês.

Nos demais continentes, não há um entre os idiomas que seja o ideal. O que é melhor vai variar em referência a outros aspectos, a serem analisados no próximo item.

2 – Analisando aspectos pessoais e o mercado de trabalho específico da sua área

Em alguns países, apesar das circunstâncias geopolíticas, pode haver mais de uma resposta correta para a pergunta central, e ela depende das questões específicas de quem está indagando. Tão importante para sua decisão quanto geopolítica, é necessário refletir sobre suas necessidades pessoais e como o terceiro idioma irá se adequar à elas, e não o oposto. 

Sua localização geográfica tem um grande peso, claro, como foi mencionado no primeiro item. Porém, atualmente é possível morar em qualquer lugar e trabalhar para clientes que moram do outro lado do mundo em relação a você, então a sua posição no mercado de trabalho global fará com que outras localizações geográficas tenham tanta importância quanto a que você está agora de fato, ou onde você planeja morar no futuro.

Por exemplo, para uma pessoa que mora no Brasil e trabalha na indústria da tecnologia da informação é muito interessante saber falar árabe, inclusive por ele NÃO ser um dos idiomas mais comuns para os brasileiros aprenderem. Da mesma forma que a influência da China na economia mundial fez com que o mandarim se tornasse aos poucos uma popular ferramenta de negócios, países árabes estão ganhando espaço no cenário globalizado de certas áreas do conhecimento e gerando a mesma tendência para o árabe.

Portanto, decidir sua próxima língua com base nas relações internacionais que você já tem ou pretende ter no seu trabalho é algo que dependerá da área em que você atua, quais passos pretende dar a seguir e como diferentes idiomas são usados nessas relações.

Além do árabe e do inglês, a lista mencionada de idiomas estrangeiros mais comuns para brasileiros contém aqueles que são populares justamente pelas relações internacionais prolíficas que já existem entre Brasil e tais países. Isto se dá pela grande população de imigrantes vivendo aqui provindos destes lugares ou por relações de mercado.

Para quem descende de japoneses e nunca teve a oportunidade de aprender a falar a língua dos antepassados, parecerá mais interessante aprendê-la então, principalmente se possuir dupla cidadania, tendo em vista a possibilidade de visitar ou ainda trabalhar no Japão, ou com empresas japonesas. Da mesma forma acontece com quem vem de família alemã, italiana, chinesa, etc.

Por último, é importante mencionar que é comum o brasileiro decidir se lançar aos estudos linguísticos novamente após alcançar a fluência em inglês por pretender realizar parte de sua formação acadêmica (como fazer um mestrado) em uma universidade estrangeira.

Dependendo do caso, a escolha pode não ter tão óbvia quanto simplesmente optar pela língua mais falada no país onde você vai estudar, pois há cursos acadêmicos cujo material é recorrentemente em um determinado idioma (pois a maior parte da criação teórica da área provém de um mesmo lugar) ou o próprio país pode ter mais de uma língua oficial, causando confusão a respeito de qual será a mais necessária na sua experiência. 

Podemos pensar no caso do Canadá novamente: Imaginemos um brasileiro, já fluente em inglês, que decide fazer um doutorado em Toronto. A princípio podemos pensar que ele deve aprender francês, já que será um idioma muito útil na cidade e no país de destino. Contudo, considerando que esta pessoa já domina um idioma que a permitirá comunicar-se com todos na cidade, e que sua área de pesquisa foi desenvolvida por latinoamericanos, sendo boa parte do conteúdo das aulas baseado em textos escritos originalmente em espanhol e raramente traduzidos para qualquer outro idioma (o que é muito comum em diversas faculdades), será muito melhor que a pessoa aprenda espanhol.

Na dúvida, o melhor a se fazer é analisar com muita calma as potenciais aplicações do idioma em questão, levando em consideração todas as perspectivas apresentadas neste artigo e outras, pessoais, que você perceba a respeito de si mesmo e de sua vida durante a leitura.

Boa sorte e bons estudos!

Download Gratuito

Cronograma Autodidata Para Aprender Inglês Básico Em 34 Dias

Baixe agora clicando no botão abaixo
DOWNLOAD NOW

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Download Gratuito

Cronograma Autodidata Para Aprender Inglês Básico Em 34 Dias

Baixe agora clicando no botão abaixo
DOWNLOAD NOW
close-link
(Grátis) Baixe o E-book Inglês em 34 Dias - Cronograma Autodidata
Baixar Ebook
close-image