Como aprender inglês com música?

O aprendizado autodidata de idiomas através da arte depende primeiramente da relação do estudante com o tipo de expressão artística em questão. Dependendo dos gostos de uma pessoa, pode ser mais útil focar em outras experiências (como filmes, podcasts, audiobooks, etc), mas se você chegou até este artigo, muito provavelmente ama música e quer usar esse interesse a seu favor nos estudos de inglês. 

Mesmo fazendo aulas, se estas forem pouco flexíveis (em turmas, comparado à aulas particulares), é realmente uma ótima ideia complementar o material desta forma.

Mas… por onde começar? Qual a melhor maneira de estudar com música?

Oportunidade: Quer aprender inglês rápido? Veja o ranking dos melhores cursos de inglês online – Clique Aqui

Simplesmente ouvir suas canções favoritas não ajuda muito, pois é necessário trabalhar com as letras. Seja coerente com seu nível de inglês: se você estiver no nível básico, foque em letras curtas, que tratam de assuntos simples. A partir do nível intermediário já será possível se desafiar mais.

Para não se perder no oceano de bilhões de canções disponíveis na internet, pode ser uma boa ideia começar fazendo uma lista (ou uma playlist no seu serviço de streaming musical favorito) que contenha um número limitado de títulos, nos quais você focará primeiramente.

Se você está no nível básico, pode criar uma lista temática para aprender vocabulário e fixar assuntos vistos em aula. Mais especificamente, por exemplo, pode selecionar 10 músicas entre as suas favoritas, que tenham letras curtas e/ou repetitivas com expressões temporais (dias da semana, meses do ano, etc) no título ou como tema central.

Claro que é necessário trabalhar uma a uma, mas esta pré-seleção tem uma enorme vantagem: ao pesquisar e separar as letras por temas, você provavelmente irá perceber melhor como aproveitar esse material. É um pouco parecido com o processo de um professor quando faz uma pesquisa para preparar suas aulas, pois também envolve correlacionar os melhores materiais que você encontrar para otimizar seu aproveitamento. Muitas vezes, começamos uma pesquisa com uma ideia do que queremos encontrar, mas o processo de descobrimento e análise do conteúdo nos leva para outro caminho.

Quando for estudar uma letra, tome nota das suas observações em pelo menos estas três frentes: escrita, pronúncia e sentido das palavras e expressões. Ao focar em temáticas, você pode adicionar uma quarta frente: vocabulário específico

Basear em uma só tradução a compreensão do que está sendo cantado pode atrapalhar mais do que ajudar. O ideal é comparar diversas traduções, exercitar você mesmo o processo de traduzir (indo frase por frase) e, se possível, pedir para alguém que já é fluente traduzir para você as frases que geram ainda alguma confusão. Infelizmente (ou felizmente) canções mais poéticas ou com expressões pouco usuais podem ser mal-interpretadas pelo tradutor, prejudicando seus estudos.

Com a tradução correta, você terá o sentido. Com a letra original, você poderá treinar a leitura e a pronúncia. 

Outra situação ideal é decorar o texto para poder cantar junto e, ainda melhor, cantar sem acompanhamento. Quando você decora uma canção ao ponto de cantá-la sem estar ouvindo-a, pode realmente prestar atenção totalmente à pronúncia que você dá para as palavras e corrigir-se mais facilmente ao notar seus próprios erros.

Entre as frentes mencionadas, escrita e pronúncia das palavras andam juntas, assim como o sentido das expressões é o complemento do vocabulário específico de um tema. Portanto, especialmente a partir do nível intermediário, é interessante tratar estas quatro partes do estudo como, na verdade, duas.

A lógica por trás do 4 no básico que vira 2 no intermediário é que, já tendo uma certa base de conhecimentos, é possível perceber mais facilmente como comumente pronunciamos algo errado porque temos o hábito de ler aquilo como se fosse português, assim como usamos expressões erroneamente por não fixar seu sentido. Percebendo as conexões entre como as palavras se escrevem e são pronunciadas, assim como entendendo a lógica por trás das escolhas das palavras, há uma compreensão mais holística do idioma – o que é ótimo, mas sobrecarrega alguém iniciante.

Concluindo, a melhor forma de aprender inglês com música é, antes de mais nada, realizando um processo de organização que lhe ajudará a refletir sobre as melhores canções para utilizar e como abordá-las exatamente. Em seguida, é necessário organizar também suas anotações, dúvidas e respostas de uma forma didática, como sugerido no esquema das quatro frentes. 

Então, por fim, divirta-se! Permita-se cantar mesmo que esteja errando a letra, para que você consiga ouvir a si mesmo. O medo, a vergonha, a incapacidade de aceitar desafios, entre demais emoções paralisantes, são os maiores inimigos do aprendizado através da arte. Alguém desorganizado mas muito corajoso e curioso chega mais longe que alguém que se prepara corretamente para fazer pouco esforço.


Não Fique de Fora:

E, se você está procurando algo definitivo, do básico a fluência, e nada que você já tentou deu certo. Veja se você já não viu essas opções que já ajudaram mais de 1300 pessoas a aprender inglês fluente. Clique no botão abaixo para ver:


redes sociais:

Recomendados para você:

    Últimos posts por Arantxa Pellicer Meira (exibir todos)
    Se inscreva
    Me notifique

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    0 Comentários
    Comentários em linha
    Exibir todos os comentários